Destino Zen!!!

Oiii, gentee!!!

Às vezes tudo que queremos é paz, paz da atribulada rotina, paz do trânsito caótico da nossa cidade, paz de filas quase sem fim, paz do estresse do dia adia, a aclamada paz espiritual.

Em busca dessa “paz de espírito”, cada vez mais as pessoas estão procurando destinos onde podem aprofundar seu lado espiritual e centralizar pensamentos. Mas que destinos seriam esses?? Separamos alguns destinos para que deseja fazer seu “retiro espiritual”, e siiim, a Ásia agrega mais localidades onde esses retiros acontecem, as religiões nascentes neste continente são grandes percursoras do estudo da mente, da autorreflexão, do conhecimento interior.

Índia

Os eremitérios hindu Ashram e a cidade de Bodhgaya estão no topo da fila de procura para quem deseja se isolar do muito e se reconectar com o seu “eu espiritual”.

Ashram é um retiro espiritual localizado em várias cidades da Índia com muito contato com a natureza, onde os sábios e “gurus” ficavam para evoluir espiritualmente e aconselhar os líderes das cidades. Hoje, encontramos um espaço ainda com muito verde e espaços para ioga, meditação e paz. Os gurus continuam ali, ajudando e incentivando os que procuram o autoconhecimento. O Ashram que mais aceita estrangeiros são os da cidade de Rishikesh (Norte da índia), devido a localização geográfica, os Ashram de Rishiken estão perto das nascentes do rio Ganges, usufruindo da sua parte limpa do rio.

Bodhgaya é um destino puro de peregrinação indiana, considerado um dos mais sagrados do mundo budista, afinal foi o local onde Buda atingiu a chamada “Iluminação”, debaixo da árvore Bodhi. Integrando o Complexo do Templo Mahabodhi, faz parte dos quatro principais locais de peregrinação da vida de Guatama Buda. Em 2002 o Templo Mahabohi integrou a lista de Patrimônio Mundial da UNESCO.

Camboja

O que não falta no Camboja são templos, mas mais que isso, não faltam lugares propícios para relaxar e meditar. O famoso templo budista Angkor Wat (em volta dele há centenas de outros templos budistas e hinduístas) é muito procurado pelos adeptos do budismo para pratica de ioga, meditação e reclusão social, em busca de paz.

Nepal

Por mais contraditório que possa parecer, é na cidade de Kathmandu, com todo o trânsito caótico e bagunçado que encontramos o lugar ideal para encontrar a espiritualidade e total imersão na meditação. A escolha do retiro são vários: o templo Boudhanath (o local mais sagrado para os budistas no Nepal), Swayambhunath (templo budista conhecido como “Templo dos Macacos“), Pashupatinath (templo hindu de adoração ao Deus Xiva as margens do Rio Bagmati) e Patan e sua impressionante praça Durbar, Patrimônio Cultural da Humanidade pela UNESCO.

Japão

Em uma “simples” ilha, chamada Shikoku há nada mais e nada menos que 88 templos e muita paz. Os chamados “Caminhos dos 88 Templos de Shikoku“ é destino para peregrinos destinados a percorrer mais de mil quilômetros, algo resulta em 60 dias de viagem passando entre os templos, vilarejos, montanhas, praias e campos, tendo como recompensa revisão de valores espirituais, sociais e morais. O percurso pode ser realizado de várias formas, a pé, de bicicleta, de carro ou de trem, e creia, realiza-lo a pé é a escolha preferida. Reza a lenda que percorrer o caminho a pé é a rota para chegar mais perto da salvação e a iluminação.

Gostaram das dicas? Deixem comentários!!
Não esqueçam de “amar” o post!
P.s.: As fotos foram retiradas da internet!! 😉




Belas ruas pelo mundo

Olááá, queridos viajantes!!

Sempre dizemos que a melhor forma de conhecer um local é explora-lo a pé, preferimos altas caminhadas do que fazer uso de metro, por ser subterrâneo, perdemos muitas vistas e pontos interessantes, que até então desconhecíamos.

Ficar hospedados em hotéis bem localizados ajuda bastante o passeio a pé, além de andar pouco para os principais pontos turísticos, a chance de encontrar lugares fantásticos é maior.

Agora que locais seriam esses? Museus, praças, bares, cafés, lojas e etc??? Não, não e não. São belas ruas!!!

Isso mesmo senhoras e senhores, tem certos destinos que a própria rua é atração turística. Diversos são os motivos que atraem os turistas para essas ruas. A exuberante natureza, arquitetura antiga ou moderna, as luzes, o constante movimento de pedestres e/ou de carros e até mesmo o clima bucólico que transmite.

Separamos liiiindas ruas que valem atenção especial na hora de visitar a cidade. Vem com a gente!!!

Rua Gonçalo de Carvalho (Porto Alegre, Brasil)

Começamos com o Brasil, claro!! A beleza natural da rua encanta, são mais de 100 árvores tipuana, uniformemente plantadas na década de 30, criando um lindo túnel verde. O reconhecimento é tanto que a rua é Patrimônio Histórico Cultural e Ambiental da capital Porto Alegre, no Rio Grande do Sul.

Rua Emílio Sorgetz (Gramado, Brasil)

Ainda no Brasil e no estado do Rio Grande do Sul, subindo a Serra Gaúcha, na adorável cidade de Gramado, encontramos a “Rua Torta“ (nome fantasia), no bairro Planalto, em frente a Praça da Etnias.

A “Rua Torta“ de Gramado lembra muito a Rua Lombard Street, em São Francisco (EUA), por terem o mesmo estilo de ladeira íngreme. A nossa ”Rua Torta” tupiniquim apresenta flores e árvores e a curvas menos sinuosas.

Lombard Street (São Francisco, Estados Unidos da América)”

Eu vou para a Califórnia, o meu destino é… encontrar a rua com mais ziguezague do mundo. Na cidade de São Francisco localizamos a Lombard Street, entre as ruas Hyde e Leavenworth.

Idealizada, sim ela foi idealizada (não ela não “nasceu“ com curvas, apenas ladeira – hahaha), em 1922 por Carl Henry para substituir os 27 graus existentes e para possibilitar a passagem de automóveis. Hoje são 08 (oito) curvas estreitas para os 400 metros de ladeira. Os carros apenas descem (é mão única) a uma ínfima velocidade de 08km/h.

A rua norte americana também é famosa por ter sido cenário de vários filmes, dentre eles o famoso blockbuster “Doce Novembro“.

Orchard Road (Singapura)

Quer rua luxuosa, quer tombo, quer maravilha de grifes em um só lugar???? Então vá a Singapura e encontre a Orchard Road, principal espaço comercial nessa “cidade-país”

São restaurante com estrelas Michelin, sofisticadas redes de hotéis, shopping centers abrigando as melhores marcas nacionais e internacionais.

Só para ter noção do tanto que a rua é luxuosa, tem duas lojas gigantes da famosa marca francesa Hermes na Orchard Road, em menos de dois quarteirões de distância uma loja da outra. Algo extremamente raro para a grife, que costuma ter poucos endereços nas cidades mundo afora. Entenderam porque a Orchard Road é puro luxo?

Ruas da antiga Lijiang (Lijiang, China)

Em busca de ambiente bucólico, parado no tempo, precisamente no século XIII, mantendo suas tradições e costumes? Nada como um passeio pelas ruas da antiga Lijiang, na China.

Fincada no Sudoeste do país, aos pés da Montanha dos Dragões de Jade, Lijiang foge do tradicional em alguns quesitos, não há muros ou distribuição geométrica entre as construções, algo habitual na China.

O passeio fica ainda melhor com a distribuição de 300 pontes entre os canais, charme total!!! E para finalizar, a parte antiga de Lijiang é Patrimônio Mundial da Unesco.

Dentre tantas ruas, as que mais se destacam são: Qiyi Street Chongron Alley ou pela Wuyi Street Wenzhi Alley para algumas das vistas mais espetaculares da rua.

Via Vittorio Veneto (Roma, Itália)

Graças ao filme “La Dolce Vita de Federico Fellin” na década de 60 que o mundo conheceu a glamorosa Via Veneto, na capital italiana, Roma.

Na década anterior ao filme a rua italiana era sensação entre artistas, modelos da alta costura mundial, era o local para ver e ser visto.

A bela fonte “Fontana del Tritone”, hotéis de alto luxo (há hotéis medianos também), cafés, excelentes restaurantes integram mais ainda a pomba da rua.

Ruelas da cidade Chefchauen (Marrocos)

É no Noroeste do Marrocos, na cidade de Chefchauouen onde temos a possibilidade de conhecer a cidade famosa por seu tom azul predominante nas construções, oferecendo um charme singular para a cidade.

O motivo para o uso da cor azul é em decorrência da forte presença de judeus que acreditavam que azul é a cor do poder de Deus.

Rua principal de Molyvos (Ilha Lesbos, Grécia)

Neste caso, toda a ilha Molyvos é puro charme, qualquer canto um encanto. Passear pelas ruas dessa ilha grega é certeza de encontrar a mesma imagem, rua cobertas por flores.

Calle Ciegos (Jerez, Espanha)

Similar a rua principal de Molyvos, a Calle Ciegos em Jerez, na Espanha é mais um espetáculo da harmonia entre natureza e o homem (as construções). Imagine o quão adorável deve ser passear por essa rua, hein?!

Bregagh Road (Ballymoney, Irlanda do Norte)

Neste caso não temos uma rua e sim uma estrada singular. Conhecida como “The Dark Hedge” e “Estrada do Rei” é uma estrada ao longo da Bregagh Road entre os perímetros Armoy e Stranocum na cidade de Ballymoney, na Irlanda do Norte.

Além do belo cenário bucólico do túnel formados pelas árvores, o que chama atenção nessa estrada é o fato de ter sido locação para a célebre série Game of Thrones – GoT.

Faltou alguma rua incrível nessa lista?
Deixem comentários!!
Não esqueçam de “amar” o post!

P.s.: Algumas fotos foram retiradas da internet!! 😉




Conheça os Jardins marroquinos de Marraquexe!!

Onde muitos pensam em deserto, camelos, souk (mercados) e tons terrosos, apresentamos o verde em pleno Marrocos, precisamente na cidade de Marraquexe. Há jardim natural e jardim cuidadosamente planejado e arquitetado. Acompanhe a leitura. 😉

Jardim Majorelle

Abriga cerca de 3.000 espécies botânicas. O nome é em homenagem ao seu fundador, o pintor francês Jacques Majorelle (1886-1962). É conhecido por ter sido propriedade do estilista Yves Saint Laurent na década de 80. Hoje pertence a Fundação Jardim Majorelle, subsidiária da Fundação Pierre Bergé – Yves Saint Laurent. No interior do jardim encontra-se a “Casa dos Lustres” do Ministério da Cultura francês, desde 2011.

Endereço: Rue Yves St Laurent. Marrakech, Marrocos.
Horário de funcionamento: 08h as 13h30 (todos os dias).
Ingresso: Jardim: 70 Dhs e Museu: 30 Dhs.

Le Jardin Secret

É no meio do caos do centro de Marrakech que está localizado o Le Jardin Secret. Aberto recentemente ao público, guarda história de mais de 400 anos. Reconstruída em meados do século XIX é dividida em duas partes (um jardim oriental e outro jardim com várias flores e plantas colhidas mundo afora).

Endereço: Rue Mouassine, 121. Marrakech, Marrocos.
Horário de funcionamento: 09h30 as 18h30 (última entrada até as 18h)
Ingresso:
 Entrada: 50Dhs
 e Acesso a Torre: 30 Dhs.

Cyber Park Arsat Moulay Abdeslam

Outro jardim que transmite tranquilidade. Construído para o príncipe Moulay Abdeslam, no século XVIII, o Cyber Park busca aliar a botânica com tecnologia (Wi-Fi gratuito por todo o jardim), fazendo do jardim uma área educacional e moderna, agregando visitantes e estudiosos da botânica.

Endereço: Arset El Bilk
. Marrakech, Marrocos.
Horário de funcionamento: 08h as 18h.

Jardim Anima

A junção de arte, botânica e luxo!! São mais de 02 hectares de verde e mais três salas de exposições e um charmoso café que serve almoço. Mesmo sendo um pouco afastado do centro de Marrakech (27km +/-), vale a visita.

Endereço: Douar Sbiti Ourika. Marrakech, Marrocos.
Horário de funcionamento: 09h as 17h (todos os dias)
Ingresso: 12€

Jardim do Parque El Harti

Pelos moradores é igualmente conhecido como “Parque dos Dinossauros”, por conta da presença de dois modelos grandes de dinossauros na área infantil do parque. Com duas entradas principais (Place 16 Novembre e na Rue El Quadi Ayad com a Avenue du President Kennedy), o Parque El Harti é milimetricamente cuidado e organizado e o jardim rico em palmeira, cactos, arbustos de bambu e outras espécies de flora.

Endereço: Place 16 Novembre. Marrakech, Marrocos.
Horário de funcionamento: 08h as 18h (todos os dias).

Jardim Bio Aromatique Nectarome

É o primeiro jardim bio-aromático do Marrocos, fica a 35 km de Marraquexe, no Vale de Ourika. Apresenta mais de 50 plantas aromáticas, medicinais e ornamentais, principalmente da região. O jardim é fonte para as pesquisas da consagrada Nectarome (empresa de cosméticos marroquina que usa a natureza como matéria prima de seus produtos). Oficinas de beleza, saúde e culinária são oferecidas aos visitantes do jardim. Há possibilidade de almoço (dos bons!!) no Jardim Bio Aromatique Nectarome. A entrada é gratuita, e tem a possibilidade de visita guiada (com custo).

Endereço: Tnine ourika, Ourika.
Horário de funcionamento: 09h as 18h (todos os dias)

Parc Lalla Hasna

Limoeiros, laranjeiras e outras árvores predominam na paisagem e são responsáveis pelo verde e harmonia do jardim tranquilo que tem a biblioteca pública integrante e a mesquita Koutoubia ao fundo. Recomenda-se ir no fim de tarde e ter cuidado com a presença de moradores de rua.

Endereço: Avenue Hommae Al Fatouaki.
Horário de funcionamento: 24h (todos os dias)

Menara Garden and Pavilion

Construído no século XVI, oriundo da dinastia Saadiana, o Parque Menara e seu jardim são conjunto de hortas e oliveiras com um lago artificial e vista para o Altos Atlas. Compensa pela arquitetura típica da região e por ser inverno.

Endereço: Avenue de la Ménara
Horário de funcionamento: 08h as 17h (todos os dias)

 

Gostaram das dicas? Deixem comentários!!
Não esqueçam de “amar” o post!
P.s.: As fotos foram retiradas da internet!! 😉




Highlights de Havana

Oii, gente!!! 🙂

Capital e maior cidade da ilha de Cuba, Havana apresenta traços que nos remetem a época em que era domínio espanhol. A arquitetura junto com a cultura local mantém as tradições e histórica de Havana.

Apresentamos os melhores pontos turísticos da cidade!!

Plaza de la Catedral

Uma das principais praças da Havana Antiga, a “Plaza de la Catedral“ possui edificações no estilo barroco do século XVIII. O nome deriva da Catedral de San Cristóbal de la Habana”, localizada em volta da praça.

Outros pontos de interesse da praça é o Museo del Arte Colonial, Palacio del Conde Lombillo e a Estátua de Antonio Gades (famoso dançarino de flamenco).

Há muitas boas opções de restaurantes e barzinhos, o mais famoso é o Bodeguita del Médio e seu mojito.

 

Catedral de Havana

Seu nome original é “Catedral de la Virgen María de la Concepción Inmaculada de La Habana“. A catedral católica é sede da Arquidiocese Cubana e foi construída pelos jesuítas entre os anos de 1748 e 1777 no local de uma igreja.

Além de integrar a parte o “hall“ de Patrimônio Mundial da UNESCO, é a construção mais importante para os cubanos.

 

Castelo da Força Real

Edificação em estilo renascentista, concebida em meados do século XVI, é exemplo de perfeita simetria que foi devidamente copiada para a construção das fortalezas norte-americanas e lhe garantiu espaço na lista de Patrimônio da Humanidade.

Também é conhecido como “Torre da Espera“, reza a lenda que Dona Inês de Bobadilla ia a torre, todos os dias, para avistar (em vão) o retorno do navio que levou seu marido quando o mesmo foi explorar a Flórida.

O Castelo da Força Real abriga o Museu da Navegação.

Plaza de Armas

Primeira praça de Havana, concebida assim que a cidade foi fundada. As construções antigas em volta da “Plaza de Armas” são as obsoletas casas dos capitães espanhóis.

O espaço é dividido entre árvores, tendas (muitas tendas) com venda de artigos antigos, como livros e LPs e apresentações de artistas de rua.

Museu da Cidade de Cuba/Museu da Revolução

Localizado na parte antiga de Havana, no palácio presidencial dos antigos presidentes cubano (de Mario Garcia Menocal a Fugencio Batista).

O interior do museu reserva um aconchegante pátio arborizado em meio a riquíssima arquitetura barroca e artefatos utilizados no cotidiano da casa, objetos pessoas dos antigos moradores e belas mobílias.

Após a Revolução Cubana (em 1959), o prédio em estilo neoclássico passou a ser museu e a apresentar a história cubana do período da revolução (na década de 50), a Cuba pré-revolucionária e a Guerra da Independência.

A parte de trás do museu acomoda o “Granma Memorial“, com a disposição do iate Granma, o veículo fluvial foi o que levou Che Guevara, Fidel Castro e Rául Castro e outros revolucionários do México a Cuba. O míssil terra-ar SA-2 Guideline, usado para abater um avião espião dos EUA (Lockheed U-2) na época da Crise dos mísseis de Cuba, o motor do avião U-2, alguns tanques usados durante a revolução e um destruidor de tanques de origem soviética também, estão expostos.

 

 

 

Plaza de San Francisco

Praça de São Francisco foi desenvolvida em frente ao porto cubano do século XVI.

Com a reforma ocorrida nos anos 90, pontos de interesse ganharam destaque, a Fonte de Los Leones (de mármore branco é das mais belas de Cuba), o terminal da Sierra Maestra (ponto de saída dos transatlânticos), Lonja del Comercio e sua cúpula e o popular estátua Caballero de Paris.

Por estar localizada na Havana Antiga, outras grandes atrações estão ao seu redor, caso da Igreja e Convento de São Francisco de Assis (dentro há o Museu de Arte Sacra), Museu del Ron, Coche Miambí (vagão de trem, fabricado nos EUA em 90 e transferido para Cuba em 92), o Museu Casa Alejandro Humboldt e o Aquarvm (aquário de peixes originários do Brasil).

 

 

Basílica Menor de San Francisco de Assis

Além de ser basílica também é Mosteiro de São Francisco de Assis, edificada no final do século XVI para ser sede da comunidade franciscana, foi palco para adoração dos ingleses quando os mesmo dominavam Cuba. No anexo a basílica há a Torre Sineira.

Gostaram das dicas? Deixem comentários!!

Não esqueçam de “amar” o post!

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!! 😉




Moscou – capital da Rússia e da Copa do Mundo 2018

Oiii, gente!!

A capital da Federação Russa também vai ser “capital“ da Copa do Mundo 2018, por abrigar vários acontecimentos futebolístico, o jogo de abertura, três jogos da fase de grupos, uma oitava de final, uma semifinal e a grande final.

Moscou é uma grande metrópole, seus 12 milhões de habitantes possuem perfil cosmopolita como a cidade, criada a beira do Rio Moscou, Oeste da Rússia.

A cidade chega a ser bem dividida para passear, acompanhe.

Grande parte do contexto histórico e político da cidade está dentro Kremlin (significa “fortaleza dentro de uma cidade“), dentro da grande fortaleza com vinte torres russa há cinco palácio (destacamos o palácio do Arsenal – todas as riquezas dos czares estão guardadas ali.), quatro catedrais e ainda abriga a sede do governo russo e a residência oficial do presidente.

Saindo das muralhas vermelhas do Kremlin, vamos a famosa “Red Square“ (Praça Vermelha) e sua grande atração, a fofinha (*-*) e exótica Catedral de São Basílio. A praça tem ao seu redor o Mausoléu de Lenin, o Museu Histórico do Estado, o centro de compras luxuoso GUM e o Kremlin. A praça foi construída para separar o cidade real (Kremlin) do bairro Kitay-Gorod.

P.s.: Muitos pensam que a origem do nome “Praça Vermelha“ é referência a cor das construções em volta ou até mesmo alusão ao comunismo. Nada disso, a origem é modesta, deriva da palavra russa красная (Krasnaya), que antigamente significava “Bonita“ com alteração no idioma, Krasnaya passou a significar “vermelho“. E então ficou “Praça Vermelha“ e não mais “Praça Bonita“.

Afastando um pouco da praça vermelha e do Kremlin, vamos rumo ao Teatro Bolshoi (15 minutinhos a pé da praça) e sede da Academia Estatal de Coreografia de Moscou mais conhecida como Academia de Balé Bolshoi (para os íntimos Balé Bolshoi), soberana no mundo da dança (focado no balé) e ópera. O prédio é no encantador estilo neoclássico, inclusive a fachada está impressa nota de 100 rublos russo.

Mais afastado ainda do Kremlin, temos o maior museu russo e um dos maiores do mundo dedicado a arte europeia, o Museu Estatal Pushkin de Belas Artes. O museu abriga muitas seções interessantes Arte do Antigo Egito, Arte da antiguidade Clássica, Galeria de Pinturas, Gravuras e desenhos, esculturas, Arte Decorativa e aplicadas, Coleção de Réplicas, Numismática (coleção de moedas e medalhas), Museu de Coleções Privadas e Memorial do apartamento de Sviatoslav Richter (pianista russo, com viés de pintor e admirador da arte). Ao lado do museu está a Catedral Cristo Salvador.

Enquanto o Museu Pushkin abriga a arte europeia, a Galeria Estatal Tretyakov é voltada para promover a arte russa. Valorizando os artistas locais que seguem a arte local. São mais de 130 mil artefatos russos, datados do século XI e XX. A famosa “Virgem de Vladimir“ está exposta na Galeria.

Outro ponto de interesse para apreciadores de museus é o museu ao ar livre Kolomenskoye, apresenta construções de vários estilos, o destaque fica para a Igreja da Ascensão com seu teto de madeira e estrutura de pedras e tijolos (inovação para a época), que está na lista de Patrimônio Mundial.

Para amantes de compras, a pedida é a rua Tretyakov Proyezd, um verdadeiro shopping a céu aberto com as maiores grifes do mundo. São tantaas lojas luxuosas que a pequena rua russa é conhecida como uma das “área mais caras do mundo”.

Quem procura por bons restaurantes, bares, pubs e muita badalação, a Rua Arbat é a melhor escolha, o movimento é intenso dia e noite na rua exclusiva para pedestres. Por volta da rua há o Museu-Casa de Alexandre Pushkin (famoso poeta russo).

Conhecida como a “Beleza de Moscou“, a Torre Ostankino oferece uma linda vista da capital russa do alto dos seus 540 metros de altura. Construída em 1967 foi a “estrutura autônoma em terra mais alta do mundo“ até 1976 quando a CN Tower, em Toronto no Canadá foi inaugurada.

Para os apreciadores do verde e da natureza, o Parque Gorky é a grande atração, no inverno, é o local para a patinação/o no gelo, além de sediar o Festival de Inverno Russo.

Realizar esses passeios utilizando o metrô torna o passeio muito melhor, as estações russas são liindas de morrer, com traços típico da Era dos Czares, são denominadas de “Palácios Subterrâneos“, não deixe de fora da sua lista!!

Gostaram das dicas? Deixem comentários!!

Não esqueçam de “amar” o post!

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!! 😉