Viajante de cada Signo

Olá, viajantes!!

Se tem uma coisa que a maioria das pessoas gostam de saber é mais sobre o seu signo, aquela combinação com a pessoa amada, se as características, qualidades e defeitos “batem“ com o seu representante no zodíaco. Sempre recorremos aos astros para saber um pouco mais de nós. Não é mesmo?! Quem sempre?? hahaha

Vocês sabiam que a maneira como o viajante desbrava o seu destino pode estar ligado ao seu signo no zodíaco??

Nessa “onda esotérica” convidamos a querida astróloga Larissa Bëdran (@larissabedran) do blog www.larissabedran.com.br para elaborar o perfil do viajante de cada signo. Nos identificamos demais com nossos signos, touro e escorpião.

Confira!!

Explorador,  pode facilmente ir sozinho, é aventureiro,  falta a paciência para os imprevistos.

 

Gosta de tudo planejado, conforto é tema chave, o turismo gastronômico pode agradar muito.

 

Gostam é de conhecer tudo, conhecer gente, conversar e trocar muita ideia. Desconfio que viajam para ter assunto depois. Adoram o ir e vir, a curiosidade os fazem exploradores de novidades.

 

Amam viajar com pessoas queridas, viagem em família ou para lugares que remetam alguma história passada são favorecidas. Amam fotografar e registrar para guardar com carinho as memórias das estradas.

 

Apreciam a celebração, não basta ser um a viagem, querem a melhor, a mais animada. Lógico, muitas fotos incríveis nas redes sociais são bem-vindas!

 

Organizam os mínimos detalhes, gostam do impecável e programado. Pesquisam todos os blogs de viagem e todos os hotéis. Viajar com um virginiano pode ter livrar de muita dor de cabeça.

 

Uma viagem acompanhado parece melhor aos olhos de um libriano. Em casal ou com algum amigo, o libriano gosta da experiência da troca. Lugares belos, harmônicos e elegantes compõe bem o universo desse signo.

 

A viagem pode representar uma busca mais profunda de cura interna. Sua ligação com a impermanência e as transformações que vida traz podem fazer a viagem perfeita aquela que contenha sementes de transcendência e regeneração interna.

 

Viajantes natos, amam explorar os novos horizontes. A viagem sempre é a busca por algo maior e repleto de sentido. Novos pontos de vista culturais amplificam o olhar de Sagitário que se desenvolve e motiva nessa eterna busca de novos sentidos.

 

Viagens produtivas são muito bem vindas para esse perfil. Muito prudentes, preferem calcular os gastos e o tempo de cada atividade. Como gostam de superar suas próprias limitações é interessante que procurem programas que aperfeiçoem seu autodesenvolvimento.

 

Lugares diferentes são uma boa escolha, por serem um pouco fora da caixa amam um destino exótico, explorar um local que poucos foram parece tentador. Gostam de se sentir livres e com espaço.

 

Seguir a intuição pode ser o caminho desses viajantes. Seja na escolha do destino ou na escolha dos programas, Peixes gosta de sentir a vida e navegar nas próprias águas imaginativas. Vai sentindo, intuindo e seguindo. Talvez uma viagem que os ajude a se conectar com os próprios canais sensíveis caia bem.

 

Nosso muito obrigada a Larissa Bëdran por ter elaborado com tanto carinho o viajante de cada signo. Adoramos!! 👏👏😘

No blog www.larissabedran.com.br e no perfil do Instagram @larissabedran vocês conferem mais matérias sobre astrologia. 😉

O que acharam, o perfil de vocês combina com o signo? Contem pra gente!! 😉




Moscou – capital da Rússia e da Copa do Mundo 2018

Oiii, gente!!

A capital da Federação Russa também vai ser “capital“ da Copa do Mundo 2018, por abrigar vários acontecimentos futebolístico, o jogo de abertura, três jogos da fase de grupos, uma oitava de final, uma semifinal e a grande final.

Moscou é uma grande metrópole, seus 12 milhões de habitantes possuem perfil cosmopolita como a cidade, criada a beira do Rio Moscou, Oeste da Rússia.

A cidade chega a ser bem dividida para passear, acompanhe.

Grande parte do contexto histórico e político da cidade está dentro Kremlin (significa “fortaleza dentro de uma cidade“), dentro da grande fortaleza com vinte torres russa há cinco palácio (destacamos o palácio do Arsenal – todas as riquezas dos czares estão guardadas ali.), quatro catedrais e ainda abriga a sede do governo russo e a residência oficial do presidente.

Saindo das muralhas vermelhas do Kremlin, vamos a famosa “Red Square“ (Praça Vermelha) e sua grande atração, a fofinha (*-*) e exótica Catedral de São Basílio. A praça tem ao seu redor o Mausoléu de Lenin, o Museu Histórico do Estado, o centro de compras luxuoso GUM e o Kremlin. A praça foi construída para separar o cidade real (Kremlin) do bairro Kitay-Gorod.

P.s.: Muitos pensam que a origem do nome “Praça Vermelha“ é referência a cor das construções em volta ou até mesmo alusão ao comunismo. Nada disso, a origem é modesta, deriva da palavra russa красная (Krasnaya), que antigamente significava “Bonita“ com alteração no idioma, Krasnaya passou a significar “vermelho“. E então ficou “Praça Vermelha“ e não mais “Praça Bonita“.

Afastando um pouco da praça vermelha e do Kremlin, vamos rumo ao Teatro Bolshoi (15 minutinhos a pé da praça) e sede da Academia Estatal de Coreografia de Moscou mais conhecida como Academia de Balé Bolshoi (para os íntimos Balé Bolshoi), soberana no mundo da dança (focado no balé) e ópera. O prédio é no encantador estilo neoclássico, inclusive a fachada está impressa nota de 100 rublos russo.

Mais afastado ainda do Kremlin, temos o maior museu russo e um dos maiores do mundo dedicado a arte europeia, o Museu Estatal Pushkin de Belas Artes. O museu abriga muitas seções interessantes Arte do Antigo Egito, Arte da antiguidade Clássica, Galeria de Pinturas, Gravuras e desenhos, esculturas, Arte Decorativa e aplicadas, Coleção de Réplicas, Numismática (coleção de moedas e medalhas), Museu de Coleções Privadas e Memorial do apartamento de Sviatoslav Richter (pianista russo, com viés de pintor e admirador da arte). Ao lado do museu está a Catedral Cristo Salvador.

Enquanto o Museu Pushkin abriga a arte europeia, a Galeria Estatal Tretyakov é voltada para promover a arte russa. Valorizando os artistas locais que seguem a arte local. São mais de 130 mil artefatos russos, datados do século XI e XX. A famosa “Virgem de Vladimir“ está exposta na Galeria.

Outro ponto de interesse para apreciadores de museus é o museu ao ar livre Kolomenskoye, apresenta construções de vários estilos, o destaque fica para a Igreja da Ascensão com seu teto de madeira e estrutura de pedras e tijolos (inovação para a época), que está na lista de Patrimônio Mundial.

Para amantes de compras, a pedida é a rua Tretyakov Proyezd, um verdadeiro shopping a céu aberto com as maiores grifes do mundo. São tantaas lojas luxuosas que a pequena rua russa é conhecida como uma das “área mais caras do mundo”.

Quem procura por bons restaurantes, bares, pubs e muita badalação, a Rua Arbat é a melhor escolha, o movimento é intenso dia e noite na rua exclusiva para pedestres. Por volta da rua há o Museu-Casa de Alexandre Pushkin (famoso poeta russo).

Conhecida como a “Beleza de Moscou“, a Torre Ostankino oferece uma linda vista da capital russa do alto dos seus 540 metros de altura. Construída em 1967 foi a “estrutura autônoma em terra mais alta do mundo“ até 1976 quando a CN Tower, em Toronto no Canadá foi inaugurada.

Para os apreciadores do verde e da natureza, o Parque Gorky é a grande atração, no inverno, é o local para a patinação/o no gelo, além de sediar o Festival de Inverno Russo.

Realizar esses passeios utilizando o metrô torna o passeio muito melhor, as estações russas são liindas de morrer, com traços típico da Era dos Czares, são denominadas de “Palácios Subterrâneos“, não deixe de fora da sua lista!!

Gostaram das dicas? Deixem comentários!!

Não esqueçam de “amar” o post!

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!! 😉




Desbrave a charmosa Amsterdam

Oii gente!!

Tulipas, canais, casa coloridas geminadas, bicicletas, coffe shops, tamancos, moinhos, queijos (MA-RA-VI-LHO-SOS!!), cervejas e mais outros pontos de referência que encheriam o post.

Todas essas atrações nos remete a um só país: Holanda!! E é sobre a capital Amsterdam que exploraremos aqui.

Em qualquer estação do ano há passeios únicos e imperdíveis, atraindo turistas do mundo todo.

Amsterdam é cosmopolita, rica (em todos os sentidos), movimentada, atraente, tem seu charme singular que encantam a todos que visitam.

Mas o que tem de tão bom por lá? Vem comigo que te mostro todos os bairros e suas atrações!!

Sobre os Museus de Amsterdam e só acessar esse link e conhecer o mundo dos museus holandeses.

Noordelijke IJ-oever

O bairro Noordelijke IJ-oever é a melhor definição da renovação urbana em conjunto com as belezas da natureza. Localizado na parte moderna da Orla Norte do Rio/Canal IJ.

Se de um lado do Canal IJ encontramos as tradicionais aldeias rurais (Nieuwendam, Ransdorp e Zunderdorp) com seus moinhos e tradicionais telhados, do outro lado (atrás da Estação Central), no Amsterdam Noord o verde impera em meio a muita arte de rua, arquitetura mais contemporânea, bons locais na beira do rio para passeios despretensiosos (os rooftops bombam por aqui). Uma balsa/ferry (acesso por trás da Estação Central) faz o transporte para o outro lado de Noordelijke IJ-oever.

Ainda usando a Estação Central como referência, bem em frente há o edifício EYE Filmmuseum e sua moderna arquitetura, na esquina tem o Centro Cultural Tolhuistuin, com música ao vivo, restaurantes e boas atrações culturais. Para uma vista de 360º da cidade nada como o A’dam Tower.

O bairro Noordelijke IJ-oever, ainda apresenta grande variedade de restaurantes (o casual Hotel de Goudfazant), bares, café (destaque para o Café de Ceuvel), boates e outros atrativos para agradável inicio de noite.

Quem quiser conhecer um pouco do estilo de vida dos holandeses, faça um passeio pela rua Buiksloterdijk e aprecie as casas e tranquilidade de Noord.

NDSM Wharf

NDSM Wharf (Nederlandse Dok en Scheepsbouw Maatschappij “Dutch Doca e Construção Naval Empresa” – tradução livre) é um bairro que mantém seus traços característicos dos estaleiros que existam por ali. Igualmente localizado a margem do Canal IJ tem uma essência cultural forte, o ponto de encontro dos artistas e jovens. Os antigos hangares, hoje são sede de cooperativas e lojas de artistas locais em ascensão.

Os Festas de diversos segmentos, apresentações, exposições, festivais de dança e uma grande variedade de outros eventos são frequentes em NDSM Wharf. Os bares (Café Noorderlicht melhor opção à noite) ocupam espaço com boa freguesia e ótima vista para a cidade, os restaurantes são bons, os drinques do Pllek Café fazem sucesso e a “praia” também, principalmente no verão.

Destaque total para o edifício de escritório Kraanspoor, parece um contêiner transparente suspenso, harmonizando com o estilo do bairro, o guindaste visto de várias partes, nada mais é que o Crane Hotel Faralda (inusitado!!) e cartão postal do bairro. Para quem gosta de Mercado de Pulga, o IJ-Hallen é parada obrigatória.

Ooster, Dapperbuurt e De Plantage

Quem deseja bairros com misturas de sabores, costumes e culturas de vários países?! O Ooster, Dapperbuurt e De Plantage são assim, típicas padarias turcas, restaurantes tradicionais do Oriente Médio, grifes francesas e museus de culturas internacionais.

Perto do centro da capital Holandesa, os bairros se fundem por serem semalhantes, apresentam muito verde, ruas largas, prédios datados do século XIX, restaurantes premiados e conceituados, muito museus e atrativos culturais.

O “verde” está no parque Oosterpark, e principalmente no Hortus Botanicus Amsterdam (Jardim Botânico de Amsterdam). Quem pretende mais que botânica de maneira geral, o zoológico mais antigo de Amsterdam Artis Royal Zoo oferta um aquário, planetário, museu zoológico e a única exposição de vida microscópica do mundo o Micropia.

A gastronomia é representada pelos Restaurante C, Badhuis Javaplein, Café-Restaurant De Plantage (dentro do Astis Royal Zoo) e o Restaurante Elkaar.

Os atrativos culturais (minha paixão!!) são inúmeros, os museus Tropenmuseum (Museu Etnográfico), Rembrandthuis (Museu-Casa de Rembrand), Hermitage Amsterdam (filial do museu Hermitage em São Petersburgo, na Rússia), Joods Historisch Museum (Museu Histórico Judaico), Verzetsmuseum (Museu da Resistência Holandesa) e Hollandsche Schouwbur (antigo teatro) e Dutch National Opera & Ballet são as opções de culturais para Ooster, Dapperbuurt e De Plantage.

Ooster igualmente ao NDSM Wharf apresenta seu mercado de pulgas, o Dappermarkt (fecha aos domingos e nos demais dias abre das 09h as 17h) e Waterloopleinmarkt, mas quem deseja compras fora desse tipo de mercado, apresentamos a Javastraat uma charmosa rua comercial, que apresenta além de boas lojas, cafés e restaurantes.

Quem deseja diversão e badalação encontra boas opções em um só lugar, no Volkshotel. Na cobertura temos o Canvas, escolha certa para apreciar bons drinques com preços acessíveis e uma linda vista para Amsterdam. O espaço ainda abriga a festejada Boate Canvas. No porão há o “hypado” Café Doka, igualmente imperdível.

Oud-West

Podemos chamar de área nobre de Amsterdam. Bem delimitado pelo parque Vondelpark e os canais Singel, Hugo Grootgracht e Kostverlorenvaart, ao norte de Amsterdam.

O que encontramos por aqui?? Restaurantes e lojas muuuito bem conceituadas e renomadas lojas de móveis (Friday Next e Wildernis são uma delas). As ruas do sucesso são: Clercqstraat e Jan Pieter Heijestraat.

Outra rua importante é Kinkerstraat muito movimentada e com comércio atrativo, por sinal, a Kinkerstraat “corta” a rua do famoso mercado Ten Kate Markt, ali perto está instalado o De Hallen Studios, antigo galpão industrial, hoje é Centro Cultural extremamente movimentado, tem cinema, dois restaurantes, praça de alimentação, artesanato e um hotel boutique (De Hallen Hotel). Completando a pegada cultural, uma visita ao cinema (e café) Lab111 e OT301 (consulte a programação pelo site oficial) são imprescindíveis.

Oud-West ainda guarda outras boas atrações, o Café Panache é o bar ideal para aproveitar a noite nessa região, a decoração no estilo “industrial chic”, cardápio sazonal com os melhores ingredientes da região e os coquetéis do bar conquistam os clientes. Ainda temos o Lot Sixty One, filial da cafeteria nova iorquina, o Lot dispõe de cafés de qualidade e comidinhas saborosas.

Quem deseja preparar sua própria refeição tem endereço certo, o Bilder & De Clercq, é simples: escolha uma das 14 (quartoze) receitas, pegue e pague pelos ingredientes e prepare sua comida. Saudável, fresca e sem desperdício e ainda acompanha vinho. Para os veganos e vegetarianos há o Meatless District, Dutch Weed Burger Joint e Vegan Junk Food Bar.

De Pijp

Indo para o bairro De Pijp (bem pertinho do bairro Oud-West), encontramos as grandes atrações holandesas que os turistas procuram. O célebre Heineken Experience (quem aprecia cerveja, aqui é o lugar), o famoso restaurante CT Coffee & Cocos (a espera vale a pena), o Mercado Albert Cuyp.

Para os apreciadores da arquitetura o Amsterdam School e sua estrutura no estilo do século XX – alvenaria arredondada e decorativa, janelas de ferro forjado – são parada obrigatória.

Amantes da natureza encontram no Parque Sarphatipark todo o verde do bairro.

No De Pijp há grande oferta de restaurantes, cafés e rooftops para terminar o dia e iniciar a noite. Destacamos os restaurantes Little Collins, Bakers & Roasters todos com ambiente descolado e super informal, o café Scandinavian Embassy é bem procurado e concorrido na hora do almoço. Para a noite, o sofisticado Twenty-Third Bar é a pedida, localizado no 23º andar do Hotel Okura Amsterdam (5*) é local para ver e ser visto com bebidas e petiscos de extremo bom gosto.

Quem procura compras, saibam que no De Pijp há lojas para todos os gostos, algumas são: joalheria Anna & Nina, a loja de roupas Charlie + Mary, Things I Like Things I Love (com pegada mais moderninha), a loja conceito Cottoncake e loja de decorações.

Oostelijke Eilanden e Oostelijk Havengebied

Para apreciadores de história marítima, navios e afins, esse é o bairro certo. Em Oostelijke Eilanden há relíquias do mundo náutico, a referência é o Scheepvaartmuseum (Museu Marítimo Nacional).

Nem só da vida marítima vive o Oostelijke Eilanden, o bairro com pinta de ilha (por ser isolada pelos canais), possui a área Ilha de Java, onde é possível admirar as construções tradicionais e modernas (Ponte Pythonbrug e os blocos de casa KNSM Island) perto das docas e canais. O Muziekgebouw aan ‘t IJ é uma linda sala de concerto a beira-mar, apresentando as melhores apresentações musicais da cidade, enquanto que o Bimhuis é o lugar perfeito para apreciar o melhor do jazz.

Pausa no passeio para visitar comidinhas e bebidinhas no Cafe Roest, bar beeem descontraído e descolado (hype style) que faz as vezes de centro cultural com exposições e apresentações para todas as idades. Cervejeiros de plantão, o Brouwerij ‘t IJ é destino certo para conhecer e apreciar uma cerveja artesanal e de quebra ficar admirando o maio moinho da cidade.

Oud-Zuid

Atravessando os canais, chegamos ao bairro Oud-Zuid, vizinho do bairro Out-West, formando a dupla de bairros nobres, sofisticados e elegantes da capital holandesa.

Enquanto o Muziekgebouw aan ‘t IJ é o local perfeito para concerto no Oostelijke Eilanden, no bairro Oud-Zuid o encontro certo para apreciar música clássica é o tradicional Concertgebouw com a renomada orquestra Royal Concertgebouw liderando as apresentações e encantando os visitantes.

Vamos de museu?! Van Gogh Museum, Moco Museum (Museu de Arte Moderna) e Stedelijk Museum (Museu de Arte Moderna Holandesa) junto com o Museu Rijksmuseum (belíssimo museu que guarda todas as relíquias e tesouros holandeses) estão na área de Oud-Zuid. Sabe aquele famosos totem “I Amsterdam” onde todo mundo tira foto??? Pois então, ele fica no Oud-Zuid na parte de trás do Museu Rijksmuseum.

O parque mais famoso de Amsterdam, Vondelpark, também está no limite do bairro junto com badalada e sofisticada rua PC Hooftstraat, a rua das famosas grandes grifes francesas (Chanel, Hermés, Louis Vuitton, Cartier), italianas (Gucci e Armani), suíça (Chopard) e alemã (Mont Blanc) e outras conceituadas grifes europeias.

Quem estima degustar chá, saiba que a casa de chá Blauwe Theehuis é o local ideal, o Vondelpark 3 é perfeito para qualquer refeição, o a localização não podia ser melhor, de frente para o Parque Vondelpark. De Vondeltuin e Groot Melkhuis também são ótimas opções para refeições principais, lanchinhos e fim de noite (happy hour!!)

Bos en Lommer

Na região Oesta da capital holandesa temos Bos en Lommer e uma atmosfera descolada, lembra muito o bairro NDSM Wharf, o diferencial é a inserção de espaços verdes (Rembrandt Park) e locais multiuso, exemplo do De Escola, prédio gigante que abriga, boate, restaurantes, galerias, teatros e ginásio. Outro lugar badaladinho é o hostel WOW, estilizado com bom restaurante e eventos e exposições culturais diariamente. Para atrações de renome e internacionais a escolha é o tetro Podium Mozaiek.

De Baarsjes

Vizinha-irmã do bairro Bos en Lommer, são distritos que praticamente se completam. A natureza, a jovialidade e a cultura em todas as suas faces ainda marcam presença em De Baarsjes. O diferencial?? As célebres ruas Jan Evertsenstraat (ou Jan Eef para os íntimos) revela lojas no estilo “moda conceito”, as convencionais lojas turcas (muito forte a presença da Turquia nessa área de Amsterdam), padarias e quitandas que vale a parada para degustar delicias preparadas na hora. E Witte de Withstraat, ostentando suas galeiras de arte (Het Sieraad e Meneer de Wit são alguns destaques). Outra atração é Mercatorplein, a praça vermelha que ocupa um quarteirão e apresenta construções tipicas da Holanda.

Quando a noite começar a aparecer, o Lokaal Café Edel Amsterdam e o Bar Spek são a pedida certa para ver e ser visto. O White Label Coffe é ideal para uma parada estratégica de passeio. Para um jantar calmo e refinado, dentro de um ambiente casual, o Café Partisan se destaca. Quem aprecia comida fresca e saudável, o Kesbeke fica sendo a melhor opção nessa região.

Zuidoost

Indo para o lado Sudeste de Amsterdam, temos Zuidoost, bairro predominante residencial com grande variedade étnico cultural (mais de 150 etnias presentes) mas com a maior concentração de espaço destinado a grandes eventos. Amsterdam ArenA, Heineken Music Hall (AFAS Live), Pathe Arena e Ziggo Dome estão por lá.

Dentre os locais para passear: Nelson Mandela Park (o melhor parque de Amsterdam para prática de quase todos os esportes), Museu Vrolik (Museu de Anatomia Humana).

Dicas para comer?! Temos!! O World of Food (misto de mercado com praça de alimentação de shopping) e o ICHI-E (o melhor japonês), junto com a patisserie Lebkov & Sons são as melhores opções gastronômicas no distante bairro Zuidoost.

Deixe nos comentários, vamos adorar saber!!

E não se esqueça de “amar” o post!! 😉

P.s.: Algumas fotos foram retiradas da internet!




Chapadas do Brasil

Oiii, gentee!!!

Obra (diga-se de passagem, das mais belas) da natureza. Geograficamente falando Chapada é um terreno de superfície plana, localizados em altos de serras (acima de 600 metros) e um vegetação rasteira.

No Brasil, as chapadas se situam em todas as regiões Norte, Nordeste, Centro-Oeste, Sudeste e Sul, com visual parecido: cachoeiras, cânions, paredões de arenito e muito lagos.

As chapadas mais famosas do Brasil que dispensam apresentações são a Chapada Diamantina (BA), Chapada dos Veadeiros (GO) e Chapada dos Guimarães (MT). Nesse post vamos apresentar outras lindas chapadas que esperam por você. 😉

Monte Roraima (RR)

Apesar de ter o nome “monte”, o Monte Roraima é uma chapada, e vale dizer, a chapada mais alta (2.810 metros de altura) do Brasil e do mundo!!! Seu platô de 90km de extensão, localizado na tríplice fronteira entre Brasil, Venezuela e Guiana Inglesa. Integrando o grupo Tepuis (montes em formato de mesa), que reúne montes nos arredores do Monte Roraima, é o local certo para aventureiros de plantão do estado de Roraima e do mundo.

Chapada das Mesas (MA)

Localizado dentro do Parque Nacional da Chapada das Mesas, no estado do Maranhão. A Chapada das Mesas tem seus 160.046 hectares e vegetação dominante do cerrado devidamente protegidos. São mais de 80 cachoeiras, e 400 nascentes de água cristalinas, sítios arqueológicos com inscrições rupestres. Os municípios que servem de ponto de partida são: Carolina, Riachão, Estreito e Imperatriz.

Chapada do Araripe (CE)

A Chapada do Araripe ainda não é Parque Nacional por não ter seu espaço geográfico oficialmente delimitado. Assim como o Monte Roraima e sua tríplice fronteira, a Chapada do Araripe fica na divisão de tríplice fronteira, mas pelos estados do Nordeste brasileiro (Ceará – que detém grande parte, Pernambuco e Piauí). São mais 178km do Leste ao Oeste e 58km de Norte a Sul. Mesmo estando em uma região semiárido (divergente das outras chapadas) em nada perde, uma vez que apresenta paisagens naturais, fontes de água límpida e mais de 200 espécies de aves e outros tipos de animais devidamente catalogados.

Chapada dos Parecis (MT)

São 800m de altitude, o ponto mais alto é o Pico Tracuá e seus 1.126 metros. Rios pertencentes a Bacia Amazônica e outros afluentes nacionais e internacionais, e uma grande biodiversidade e presença de belezas naturais. Esses são alguns dos muitos pontos de destaque da Chapada dos Parecis, no estado do Mato Grosso. A porta de entrada é a cidade de Campo Novo do Parecis (MT).

Chapada do Guarani (SP)

Por abrigar 06 municípios (Analândia, Brotas, Itirapina, Torrinha, São Carlos e Santa Rita do Passa Quatro) do estado de São Paulo, a Chapada do Guarani e seus 734m de altitude atrai por inúmeros atrativos e serviços. A Chapada do Guarani guarda o Aquífero Guarani, maior reservatório de água subterrânea da América do Sul e um dos maiores do mundo, lindas paisagens, serras e vales cortados por rios. Local perfeito para quem deseja descansar e/ou se aventurar nas trilhas e florestas do Circuito Guarani.

Gostaram?? Deixe nos comentários sua opinião sobre o post, vamos adorar saber!!

E não esqueça de “amar” o post 😉

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!




Disney e seus restaurantes temáticos

Oi, gentee!!

Quando se fala em entretenimento, nada se compara ao universo Disney, começando pelos desenhos animados, passando pelos filmes, os Parques de Diversões, os restaurantes temáticos. Toda áurea Disney encanta as crianças e até mesmo os adultos (vamos combinar, todo mundo “pira” quando o seu desenho favorito aparece ou quando vê artigos Disney nas papelarias ;)).

Uma das melhores combinações em viagens é “gastronomia + diversão”, certo?! Dentro do encantado mundo Disney separamos alguns restaurantes para inspirar sua próxima viagem. Segue a leitura! 😉

P.s¹: Eles aceitam e recomendam que seja feita reserva com antecedência.

50’s Prime Time Café (Disney’s Hollywood Studios)

Que tal uma refeição tipicamente norte americana dentro da atmosfera dos anos 50? Essa é a proposta do 50’s Prime Time Café dentro do parque Disney’s Hollywood Studios (perto do Echo Lake).

A decoração recria com perfeição ambientes dos anos dourados. A típica cozinha de casa, a sala de estar, os bares e lanchonetes são algum dos espaços criados para receber os hospedes, sim é assim que os clientes são tratados, como hóspedes. Tudo em um clima bem informal.

Milk-shake artesanal de morango, chocolate ou baunilha, frango frito, rocambole de carne e carne assada são opções no menu da casa.

Funciona para o almoço das 11h às 15h15 e das 15h45 às 20h para o jantar. O custo varia entre U$7 a U$25 no menu adulto, para as crianças, o custo é bem menor.

Be Our Guest (Magic Kingdom)

Imergindo no mundo das princesas, temos o restaurante Be Our Guest no Magic Kingdomn a ideia é fazer com que o cliente seja o convidado de honra do castelo da Fera, do conto A Bela e a Fera. Toda a decoração é baseada no castelo da história, incluindo uma linda chuva de pétalas de rosa (remetendo a rosa do desenho).

As três principais refeições (café da manhã, almoço e jantar) oferecidas são de qualidade norte américa e francesa (origem da história), digna de rei, rainha e príncipe e princesas.

O salão do castelo se divide os 550 lugares em três áreas (servindo o mesmo menu): The Grand Ballroom, The West Wing e The Castle Gallery.

O café da manhã é servido a partir das 8h até 10h30, o almoço é das 11h às 14h30 e o jantar começa às 16h e finaliza as 18h. O custo no café é de U$25,00, no almoço varia de U$5,99 a U$16,99 e no jantar de U$8 a U$35.

Apesar de ser baseado em um conto de princesa, neste restaurante não há participação das personagens

P.s¹: Para o jantar, o ambiente requer estilo mais formal na vestimenta. 😉

Akershus Royal Banquet Hall (EPCOT)

O restaurante Akershus Royal Banquet Hall, localizado no setor Norueguês do parque EPCOT é o melhor restaurante em estilo medieval, aqui a Rainha junto com suas princesas abre o castelo para um verdadeiro banquete real. Quem são as princesas? Branca de Neve, Cinderella, Bela, Princesa Aurora e sereia Ariel. Siiim elas mesmo, em carne e osso vão circular pelos salões tirando fotos, “selfies” e concedendo autógrafos para os convidados da Rainha.

Café da manhã em estilo norte americano e norueguês, enquanto o almoço e jantar é no melhor estilo norueguês. As refeições são servidas no estilo buffet e a la carte.

Vamos aos horários! O café da manhã é das 8h às 11h10, o almoço das 11h55 às 15h30 e o jantar começa às 16h55 e finaliza as 20h35. O custo das refeições varia de U$35 a U$59,99.

Cinderella’s Royal Table (Magic Kingdom)

A experiência de fazer uma refeição onde a anfitriã é a querida Cinderela (junto com clássicas princesas Disney) dentro do icônico Castelo da Cinderella no Magic Kingdom é mágica.

Castelo com lindos vitrais, arcos suntuosos, bandeiras no melhor estilo medieval e a maravilhosa vista para Fantasyland.

No cardápio do café da manhã (8h às 10h15) oferece os típicos pratos matinais dos Estados Unidos. O almoço (1h40 às 14h50) e jantar (16h às 18h) oferecem deliciosos pratos quentes. Tudo finalizado com deliciosas sobremesas.

O investimento para esse sonho varia de U$35 a U$60.

Coral Reef (EPCOT)

Vamos para o fundo do mar e viver entre os corais?! Essa é a proposta do Coral Reef, dentro do parque Epcot, a decoração muda o tempo todo, afinal estamos no fundo de um aquário e mais de 4 mil espécies marinhas circulam por lá.

Carne e frango estão no menu do restaurante (tanto no almoço quanto no jantar), mas os frutos do mar são a especialidade da casa.

Das 11h30 às 15h30 é servido o almoço (de U$8 a U$36,00) e das 15h45 às 21h30 (de U$8 a U$33).

Gostaram?? Deixe nos comentários sua opinião sobre o post, vamos adorar saber!!

E não esqueça de “amar” o post 😉

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!