Conheça os encantos de Montevidéu

Oiii, genteee!!!!

Maior cidade e capital do Uruguai, Montevidéu também é sede administrativa do Mercosul, possui porto natural estratégico para entra e saída de mercadorias que abastecem a cidade, o país e o Mercosul.

Muitas vezes o país passa despercebido na rota de muitos turistas por ser pequeno e ficar entre dois grandes países (Brasil e Argentina), mas a linda capital uruguaia tem passado histórico glorioso que reflete na arquitetura e na excelente qualidade de vida dos uruguaios. Qualidade de vida conjetura em uma cidade tranquila para passear (índice de violência baixíssimo), com muito verde, limpeza nas vias públicas, transito organizado (!!!), clima mega agradável com as quatro estações bem definidas (verão chega fácil ao 40ºc enquanto o inverno atinge 08ºc com folga).

Vamos desbravar essa linda cidade que soube “casar” o passado e o moderno selecionando alguns pontos turísticos para sua próxima viagem pela América do Sul. Não se engane, Montevidéu tem muito para mostrar e se aproveitar.

A melhor forma de conhecer uma cidade é explorando seus bairros, assim, quase nada passa despercebido e é esquecido no passeio.

Ciudad Vieja

Parte antiga da cidade. Edifícios antigos, Museus, teatros, lojas, galerias de arte, feiras de artesanatos, boates, bons restaurantes e bares.

Catedral da Praça Matriz, o passeio pela Rua Pedestre Sarandí, o Teatro Solís e sua arquitetura típica dos teatros líricos e europeus, Mercado Del Puerto e o Museu do Carnaval,  Cabildo – Museu e Arquivo Histórico MunicipalLivraria Mas Puro Verso, Praça Constituição (Feira de Antiguidades) são destaque na lista de “lugares para visitar”.

Centro

O Centro vai desde a Praça Independência até a Rua Ejido, onde oficialmente começa o bairro Cordón.

Tem como via principal a Avenida 18 de Julio (da Praça Independência até o Obelisco, na Rua Bulevar Artigas). O bairro Centro se conhecia antigamente como Ciudad Nueva, porque era extensão do bairro Ciudad Vieja.

Ótimo para: comércios, restaurantes, cinemas, teatros e hospedagem. É uma das zonas mais movimentada de Montevidéu.

No Centro se destacam o Casa Buxareo (sede da Embaixada da França), Casa Otero (declarado Patrimônio Municipal em 2005), Complexo de Sodre, Palácio Díaz, o Centro de Convenções da Torre de los Profesionales, a Torre del Gaúcho, Palácio Municipal, Museu da Casa dos Presidentes.

Praça Independência, é a “fronteira” entre o passado e o moderno, o centro histórico e o crescimento da cidade. Projetada em 1837 no plano diretor da cidade, fica no Centro de Montevidéu (rodeada por outros grandes pontos turísticos), é palco de várias apresentações culturais da capital, guarda os restos mortais do grande ídolo uruguaio José Artiga.

Na Praça Independência encontramos grande parte das atrações turísticas de Montevidéu. Em seu Centro está a estátua de José Gervasio Artigas e pode ser acessada através de escadas até o mausoléu subterrâneo onde se conserva os restos mortais do herói nacional.

Ao Leste fica a Porta da Cidadela (Puerta de la Ciudadela), testemunho do Montevidéu colonial e início da via para pedestres Sarandí.

Pela calçada Sul pode-se encontrar a Torre Executiva, atual sede do Poder Executivo, e o Palácio Estévez, antiga sede do executivo, abriga museu do Poder Executivo.

Ao Oeste na esquina com a avenida 18 de Julio pode-se ver o Palácio Salvo, quando foi construído era o edifício mais alto da América do Sul.

Para os apaixonados há a Fonte dos Cadeados (Av. 18 de Julio 1249).

Cordón

Em Cordón encontramos o antigo edifício da Faculdade de Direito da Universidade da República, a Faculdade de Bellas Artes e a Biblioteca Nacional, Rua Tristán Narvaja, para amantes da leitura, aos domingos tem a maior feira ao ar livre de Montevidéu.

Parque Rodó

Sede do parque mais popular de Montevidéu (Parque Rodó) e de grandes áreas verdes, lagos, pontes e praia (Praia Ramírez – ótimo para vê o pôr do sol). Bons restaurantes também são encontrados neste bairro.

Arquitetura chama atenção por conta da Faculdade de Engenharia da Universidade da República, o Museo Nacional de Artes Visuales e a sede do Mercosul, onde funciona o Cassino Parque Hotel.

Barrio Sur e bairro Palermo

Localizados entre a Ciudad Vieja e o Parque Rodó, limitando com a beira mar de Montevidéu. A arquitetura clássica e antiga das casas, somado com o passeio a beira mar (Rambla) são os motivos para visitar esses bairros.

Punta Carretas

Bairro residencial de Montevidéu e de comércios e serviços como o Punta Carretas Shopping (maior centro comercial de Montevidéu) e a Feira da Villa Biarritz as terças e sábados.

Pocitos

Pocitos (ao lado de Punta Carretas) é o bairro do momento, onde tudo acontece o tempo todo. O bairro dispõe de uma extensa praia e excelente estrutura a beira-mar (Rambla) onde se concentram a maioria das atividades de verão Os melhores e mais descolados restaurante e cafés estão por lá. No bairro Pocitos também encontramos aqueles famosos letreiros com o nome da cidade, o letreiro “Montevideo” fica na Rambla República del Peru, perto do Espaço Kibon. Lojas de roupa e acessórios, supermercados e pequenos armazéns são encontrados por lá.

Buceo

Buceo, começa na Rua Luis Alberto de Herrera até a Rua Mariscal Francisco Solano López (antiga Rua Comercio). Tem uma pequena baia onde funciona o tradicional Yacht Club Uruguayo. Entre as principais atrações do Buceo, está o mais antigo centro comercial da cidade Montevideo Shopping Center e o Museu Oceanográfico Dámaso Antonio Larrañaga sobre a Rambla República de Chile.

Málvin e Carrasco

O bairro Malvín além de possuir uma bela praia, há ótimas praças com balanços e jogos para crianças, em zonas com muitas árvores e afastadas da vida agitada de outras partes da cidade.

Carrasco é um bairro da elite uruguaiaCarrasco Lawn Tennis Club e o antigo Hotel Casino Carrasco (atual Hotel Sofitel Casino Carrasco) são atrações por lá.

Rambla: Adeptos de passeios ao ar livre, por do sol de tirar o fôlego tem destino certo, a Rambla (avenida costeira da cidade) garante o melhor visual para o fim de tarde. São 22km de extensão que cortam a cidade e várias praias (Ramírez, Pocitos, Buceo, Malvín e Carrasco). Desde 2010 integra o rol de Patrimônio da Humanidade, concedido pela UNESCO

Tres Cruces e Parque Batlle

Tres Cruces é um bairro que começa na Avenida Italia com monumentos (monumento a Rivera, a cruz em homenagem ao Papa Juan Pablo II e o Obelisco) e praças.

O bairro Parque Batlle é o bairro do Estadio Centenario, cenário do primeiro campeonato da Copa Mundial de Futebol em 1930, do Velódromo Municipal, Pista de Atletismo Darwin Piñeirúa, Parque de Los Aliados, Zoológico Municipal Villa Dolores e claro, Parque Batle com o monumento Carreta.

Aguada

Mercado Agrícola de Montevidéu, Palácio Legislativo, Palácio Da Luz são os pontos de interesse do bairro Aguada.

El Prado

Afastado dos bairros mais tradicionais, o bairro El Prado reserva muito verde e tranquilidade e cultura para seus visitantes: Jardim Botânico, Parque El Prado, Rosedal, Museu Nacional Belas Artes, Jardim Japonês.

Afastados do Centro de Montevidéu:

  • Zoológico Parque Lecocq (18,4 km do Centro de Montevidéu)
  • Bodeza Bouza (16,3 km do Centro de Montevidéu)

São atrações próximas, podem ser combinadas para o mesmo dia de passeio.

Gostaram?? Deixe nos comentários sua opinião sobre o post, vamos adorar saber!!

E não esqueça de “amar” o post 😉

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!




É tempo de cerveja!!

Oiii, gentee!!!

Pelo que consta na história da humanidade, a cerveja brotou no mundo há pelo menos 6 mil anos, no que antes era a Suméria e hoje é o Iraque.

A produção da cerveja é até hoje desconhecida. Hoje sabemos que é perfeita harmonização entre água, malte, cereis e lúpulo. Indo a Europa e que conhecer mais dessa bebida? Separamos ótimos destinos com os melhores lugares que vão fazer você imergir no mundo da cevada!! 🍻🍻

Holanda

Em Amsterdam, encontramos a fábrica da conceituada e famosa cerveja Heineken, o museu Heineken Experience (Stadhouderskade 78, 1072 AE Amsterdam), como o próprio nome diz, é uma experiência (única) no mundo da cervejaria. Passeio pela fábrica, conhecendo os tipos de cerais, sabendo um pouco mais da história da marca e finalizando com degustações de cervejas (beber direito da torneira é uma das experiências que te esperam por lá).

Além da famosa marca de cerveja da garrafa verde, Amsterdam apresenta outros rótulos de cerveja e cervejarias (a Holanda conta com mais de 400 cervejarias!!!) como a “Snab Pale Ale” que pode ser apreciada no melhor café/bar da cidade para apreciadores de cerveja local, o Arendsnest, em português “Ninho de Águia” ( Herengracht 90, 1015 BS Amsterdam), o bar apresenta nada mais e nada menos que 100 cervejas locais.

Ainda na capital holandesa, que tal visitar uma microcervejaria ao lado de um moinho (ícone da Holanda!!)? É essa a proposta da cervejaria Brouwerij ‘t IJ (Funenkade 7, 1018 AL Amsterdam), criada em 1985 com a missão de elaborar cervejas com produtos totalmente orgânicos.

Aumentando o percurso pela Holanda, em direção a cidade de Berkel-Enschot (122km de Amsterdam), podemos visitar o Koningshoeven Abbey (Eindhovenseweg 3, 5056 RP Berkel-Enschot), fábrica da famosa cerveja trapista La Trappe produzida pelos monges trapistas.

Bélgica

É na pequena cidade em estilo medieval de Bruges onde encontramos os museus de cerveja Bruges Beer Experience (Breidelstraat 3, 8000 Brugge) e a Cervejaria De Halve Maan (Walplein 26, 8000 Brugge), parada obrigatória para os apreciadores.

E os bares, qual visitar?? É dica que vocês querem?! É dica que vocês vão ter. 2be ( 2be, bvba Dubbel, Wollestraat 53, 8000 Brugge); Staminee De Garre (De Garre 1, 8000 Brugge); Duvelorium (Markt 1, 8000 Brugge); Café Vlissinghe (Blekersstraat 2, 8000 Brugge) e o Bauhaus (Langestraat 133-137, 8000 Brugge) – aqui temos excelente bar dentro de um hostel, com degustações diárias de cervejas.

Outra pequena e charmosa cidades da Bélgica para incluir no roteiro cervejeiro é a cidade de Poperingue, sede da Abadia de Saint Sixtus (Donkerstraat 12, 8640 Vleteren) produtora de cerveja trapista Westvleteren Brewery (ótimo para fazer um comparativo com a La Trappe holandesa) e lendária Westvleteren 12.

A capital Bruxelas não fica de fora do roteiro por apresentar um dos mais completos Museu da Cerveja, o Belgian Brewers (1000, Grand Place 10, 1000 Bruxelles) e o conceituado Delirium Café (Impasse de la Fidélité 4, 1000 Bruxelles) apresentando os melhores rótulos (mais de três mil!) de cerveja do mundo. Inclusive está no Guinness Book – Livro dos Recordes como “A maioria das variedades de cerveja disponíveis em 2.004 no Delirium Café, em Bruxelas, na Bélgica. Quando contado em 9 de janeiro de 2004 “. Imperdível!!

Alemanha

O destino mais conhecido e visitado pelos amantes de cerveja, é a cidade de Munique . A bebida mais consumida e admirada no mundo tem “seu mês” de comemoração em Setembro (ok, sabemos que “Oktober” é Outubro em Alemão, mas o que podemos fazer se mudaram as datas?! ¯\_(ツ)_/¯ ), começa na última quinzena de Setembro e vai até o primeiro final de semana de Outubro a festa mais popular do líquido mais apreciado, a Oktoberfest (Thereisienwiese Park). Tudo que é amarelo é cerveja por lá. O liquido de ouro! São mais de 6 milhões de visitantes (e mais de 7 milhões de litros de cerveja) durante os dias do evento em busca de apreciar e conhecer o maior festival cervejeiro do mundo!!

Por sinal, as datas para 2018 já foram divulgadas, entre os dias 22 de Setembro a 07 de Outubro!! Programe-se e não perca esse festival!! 

Dinamarca

Na capital Copenhague, o Museu da Carlsberg (Gamle Carlsberg Vej 11, 1799 Valby) apresenta a maior coleção de garrafas de cerveja do mundo, história da cerveja, degustações de cerveja da Jacobsen Brewery, aulas sobre os ingredientes e o todo processo de fabricação de cerveja.

República Tcheca

Rumo ao Leste Europeu, mais precisamente na República Tcheca, na cidade de Plzen, sim o nome da cidade é o nome do estilo mais popular de cerveja, a Pilsen!! Deparamos com a fábrica Pilsner Urquell Brewery (U Prazdroje, 301 00 Plzeň 3-Východní Předměstí). Na capital Praga, uma visita indicada é na cervejaria U Flekú (Křemencova 11, 110 00 Nové Město) é da mais tradicionais e famosas da cidade. Há o Museu da Cerveja de Praga (Smetanovo nábř. 205/22, 110 00 Staré Město), com espaço subterrâneo para degustação da bebida. Para quem procura uma experiência singular, nada como o Beer Spa Bernard (Týn 644/10, 110 00 Staré Město), um Spa onde todos os tratamentos utilizam cerveja, além de produzirem a própria cerveja Bernard. Excêntrico interessante? Vá, experimente e nos conte!!

Pilsner Urquell Brewery

Gostaram?? Deixe nos comentários sua opinião sobre o post, vamos adorar saber!! 🍻

E não esqueça de “amar” o post 😉

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!




Konavoski Dvori National Restaurant o melhor da comida croata.

Oii, genteee!!!

Além de visitarmos museus, parques, praças, teatros, centro histórico e mercados, ainda sim falta alguma coisa para a experiência ser completa em uma viagem. Degustar a culinária local!! Saborear os melhores em mais famosos pratos da região torna a viagem ainda melhor, afinal, comer e uma das melhores “atividades” do mundo. Pela comida conhecemos um pouco mais da história local, saber seu modo de preparo, suas tradições é uma aula de história saborosa e convidativa.

Quando há a soma “melhor comida da região + paisagem perfeita”, o resultado só pode ser inesquecível, tanto para o paladar como para os olhos. É o caso do restaurante croata Konavoski Dvori National Restaurant, na cidade de Ljuta, Croácia, a 34km da famosa Dubrovnik.

No Konavoski Dvori National Restaurant o cardápio é formado por pratos tradicionais de todas as regiões croatas. O aroma do presunto de alta qualidade pode ser sentido, bem como o queijo, azeite, pão caseiro feito no dia, truta grelhada e cordeiro e vitela, devidamente assados são facilmente percebidos pelas dependências do restaurante quase 100% ao ar livre. O “prato chefe” da casa é o famoso e requisitado “Ispod sača” (carne assada em formas ovais de ferro – chamadas de sino, coberto de brasa. Simplesmente macio e DIVINO!!).

Logo que o hóspede chega é servido licores de cereja e nêspera, e a bebida tradicional dos Balcãs o destilado “Rakija”, tendo como acompanhamento frutas cristalizadas. Muitas são as opções no cardápio para os pratos de entrada, principal e sobremesa. Massa caseira de camarão com trufas e o “Štrukli” (tradicional comida croata, é feito com queijo cottage no forno) são algumas das opções de entrada. Para os pratos principais tem o citado “Ispod Sača” e Ragu de carne com polenta, Rakija de infusão de ervas é uma boa opção para acompanhar os pratos principais. As sobremesas são dentre as muitas opções apresentadas há frutas da estação acompanhadas de creme, bolos e sorvetes. Vinhos da região são ofertados na casa, bem como refrigerantes, sucos e água.

A complexidade e cuidado na hora do preparo dos pratos requer do hóspede (assim é chamado o cliente no restaurante) uma reserva prévia, garantindo um serviço ímpar da entrada a sobremesa. Contando com educados, atenciosos e alegres garçons vestidos com trajes tradicionais da Croácia.

A espera pelos pratos que vão ser servidos são muito bem compensados. O hóspede tem todo tempo para apreciar a natureza muito presente. O Konavoski Dvori National Restaurant está localizado na região Konavle (Sul da Croácia), em volta de montanhas e terras férteis, à beira de um riacho, o Ljuta que tem um lindo moinho de água como adorno. Uma área devidamente protegida pela UNESCO como patrimônio histórico e natural.

O lugar é convidativo a comida esplendorosa o que mais poderia faltar em um lugar tão privilegiado e vip?! Siim, pessoas “Vips” ou celebridades, a probabilidade de encontrar algum artista é enorme, o restaurante já foi frequentado por estrelas do cinema, esporte, moda e príncipes. Tenista Novak Djokovic, o músico Bono Vox (U2), Pep Guardiola, estilista Valentino, a atriz Eva Longoria, o ator Owen Wilson, cineaste Francis Ford Coppola e os príncipes japoneses Akishino, são algumas das ilustres presenças vip no Konavoski Dvori National Restaurant.

Gostaram?? Deixe nos comentários sua opinião sobre o post, vamos adorar saber!!

E não esqueça de “amar” o post 😉

P.s.: Algumas fotos foram retiradas da internet!




Jardins imperdíveis em Portugal

Oiii, genteee!!!!

Pode até parecer “coisa de vovó”, mas um jardim bem cuidado tem o seu valor. A simetria das árvores, as plantas mais cuidadas, o colorido das flores, o cheiro no ar. Tudo é lindo!!

Muito comum os palácios europeus terem jardins imensos, de “perder de vista”, algo singular que realmente compensa o passeio. Fica até difícil saber se quer conhecer palácio/museu ou ficar sentado admirando o jardim.

Dentre muitos jardins impecáveis e imperdíveis em toda Europa, separamos alguns de encher os olhos em Portugal. Não precisa ser primavera para esperar visitar essas lindas obras da natureza reparadas e cuidadas pelo homem.

Jardim do Paço Episcopal (Castelo Branco)

É no Jardim do Paço Episcopal de Castelo Branco, na cidade de Castelo Branco que vemos o mais perfeito exemplo de um típico jardim barroco. Em formato retangular, com balcões e varandas de ferro, balaústres de cantaria e cinco lagos com as bordas trabalhadas e jatos de água. Magistralmente separado em quatro partes (entrada, patamar do buxo, o Jardim Alagado e Plano Superior) que se ligam em perfeita harmonia. A idealização e orientação do jardim foi do Bispo da Guarda D. João de Mendonça no século XVIII.

Na entrada principal (R. Bartolomeu da Costa) apreciamos a Escadaria dos Reis Dispostos com os repuxos e a dança das águas em volta das estátuas de granito que representam os Novíssimos do Homem, Quatro Virtudes Cardeais, as Três Virtudes Teologais, os Signos do Zodíaco, as Partes do Mundo, as Quatro Estações do Ano, o Fogo e a Caça. Representados os Apóstolos e os Reis de Portugal até D. José I. Logo após, chegamos ao Plano Superior com seu patamar do buxo em formato retangular e as cinco chagas de Cristo simuladas pelos cinco lagos com repuxos. Por fim o Jardim alagado que parece emergir de um lago.

Jardim Palácio Vila Flor (Guimarães)

Dentro do Centro Cultural Vila Flor, na cidade de Guimarães, mais que aprender sobre a cultural portuguesa ainda podemos terminar o passeio apreciando toda a beleza do jardim local e uma privilegiada vista para a cidade.

Os Jardins Palácio Vila Flor são reflexo da história e arquitetura dos terraços senhorias da época (século XVIII), conservados, ainda é possível ver os típicos jardins de buxo, separados em três tabuleiros por balaústras em estilo rocaille de pináculos, urnas, estátuas e lindas escadarias que fazem a ligação entre a parte inferior e superior do jardim.

A parte superior possui canteiros bordejados de buxo anão e arbustos de camélias, redondelos e espécies de herbáceas. O chafariz dentro de uma fonte circular completa a linda visão. No jardim inferior a decoração é similar ao do jardim superior, tendo suas peculiaridades, como o tanque sextavado cercado pelas lindas japoneiras, fontes e portais. No verão é muito comum se refrescar sobre as árvores frondosas. O Jardim do Palácio Vila Flor é palco para grandes acontecimentos culturais, arte, música e encontros importantes da sociedade de Guimarães.

Jardim Quinta das Lágrimas (Coimbra)

Nada como um jardim para ser palco de uma história de amor!! A história de amor é entre Pedro (estamos falando de D. Pedro, ok?!) e Inês de Castro, e o palco para o encontro secreto era o Jardim Quinta das Lágrimas. Seguindo a regra que toda história de amor tem seu lado triste, conta a lenda que o nome “Fonte das Lágrimas” é referência as lágrimas derramadas por Inês quando foi assassinada e as manchas avermelhadas presente na rocha seriam o sangue de Inês.

Contrário dos jardins citados anteriormente, o Jardim Quinta da Lágrimas foi concebido para ser um “jardim vegetal”, reunindo várias espécies de todo mundo graças a amizade entre o curador do jardim e o diretor do Jardim Botânico da Universidade de Coimbra. Em tempos ido, a área “de mata” era o lugar ideal para caça da família real portuguesa e a área de jardim junto ao palácio, cheia de sequoias, olaias, palmeiras-da-china, cedros do buçaco e cedros do himalaia e figueira da Austrália, e o famoso podocarpo africano (único exemplar em Portugal) era para grandes eventos reais.

Hoje o jardim compõe as dependências luxuoso hotel Quinta das Lágrimas, integrante do seleto grupo Small Luxury Hotels.

Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian (Lisboa)

Os paisagistas António Viana Barreto e Gonçalo Ribeiro Telles foram os responsáveis pelo projeto do Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian, na capital portuguesa (Lisboa). A beleza, os desenhos em formatos geométricos subtil e o uso da vegetação ousada para a época da sua construção (nos idos dos anos 60), fizeram do jardim uma referência da arquitetura moderna paisagista portuguesa!!!

A vegetação ainda é a mesma do século XIX, árvores frondosas e eucaliptos demarcam os mais de 09 hectares de jardim com lago, riachos, terraços ajardinados, trilhas, orla, clareira, anfiteatro. São mais de 200 espécies de flora catalogadas e 43 espécies de aves que frequentam o Jardim da Fundação Calouste Gulbenkian. Passear entre as árvores nos percursos perfeitamente sinalizados, admirar as plantas e aves ou até mesmo assistir um concerto ao ar livre são uma das várias atividades feitas pelos visitantes.

Por falar em atividades, o Jardim Botânico oferece atividades permanentes para quem deseja conhecer mais da natureza. São oficinas, concertos, passeios temáticos e guiados, cursos e projetos sociais para todas as idades.

Dentro do Jardim, encontramos a Fundação Calouste Gulbenkian, o Museu Calouste Gulbenkian e o Centro Interpretativo Gonçalo Ribeiro Telles. O Centro Interpretativo foi criado para mostrar aos visitantes detalhes dos trabalhos realizados e mostrar todo o cuidado realizado no Jardim Botânico.

Jardim Botânico da Madeira – Engenheiro Rui Vieira (Funchal, Ilha da Madeira)

Quem for conhecer a Ilha da Madeira (01h40 de voo direto saindo de Lisboa), vai se surpreender com o Jardim Botânico da Madeira, na cidade de Funchal.

A vontade de criar um Jardim Botânico surgiu em 1798 com o documento de João Francisco de Oliveira expressando à vontade para “se estabelecer na Ilha da Madeira hum viveiro de plantas e huma Inspecção sobre a Agricultura da mesma Ilha”, mas foi em 1951 (ano e anos depois!!) com a autorização do então presidente António Teixeira de Sousa que a Quinta do Bom Sucesso foi arrendada para receber o Jardim Botânico da Madeira.

Situada ao lado do Loiro Parque no alto do Largo da Babosas, o Jardim Botânico possuía 10 hectares inicias, hoje conta com 80 hectares. As áreas são dividias em 06: Arboreto com coleções de árvores e arbustos de várias partes do mundo (quase um museu botânico); Plantas Medicinais e Aromáticas; Plantas Indígenas do Arquipélago da Madeira; Plantas Suculentas (aquelas que armazenam água); Planta agroindustriais; Coleção de Palmeiras. Cada área por possui características únicas, apresentam lindas paisagens coloridas e harmônicas, passando aos visitantes encantos e tranquilidade durante o passeio. O Jardim abriga ainda o Museu de História Natural.

Parque das Terma da Curia (Curia)

Os 14 hectares com muita mata (devidamente conservada com árvores centenárias) e jardins impressionam os visitantes e hóspedes do Parque das Terma da Curia, sim, hóspedes, dentro do parque há dois charmosos hotéis (Hotel Termas da Curia – 3* e Hotel do Parque – 2*).

O Parque das Terma da Curia pertence a um complexo termal, na aldeia portuguesa de Curia, na freguesia de Tamengos, região de Aveiro. Além do Parque encontramos, lagos, espaço para jogos ao ar livre, campos de golf e uma simpática casa de chá. Seu lago ganha destaque por ter sido (durante muito tempo) um dos maiores lagos artificias da Península Ibérica. Lugar ideal para relaxar e passear em meio a natureza.

Parque de Serralves (Porto)

Parque de Serralves, bem no centro da cidade de Porto, nos faz esquecer que estamos em uma cidade, tanto pela paz a tranquilidade do lugar, quanto pela dimensão de seus variados jardins.

Projetada pelo arquiteto Jacques Gréber (a convite de Carlos Alberto Cabral) em 1932, possui traços clássicos e modernos, tendo total influência dos jardins franceses do século XVI e XVII. Em 1996 foi construído o Museu de Arte Contemporânea de Serralves (Fundação de Serralves). Hoje, o Parque de Serralves é referência e influência no segmento paisagístico de Portugal.

O arbóreo se destaca, pela abundância e o cuidado, enquanto a vegetação do parque impressiona por ser exótica e variada, são mais de 8.000 amostras de plantas lenhosas e 230 espécies. Mais que passear por essa variedade de verde, o parque oferece programações para quem deseja conhecer um pouco mais do trabalho produzido e da natureza que ela abriga.

Parque de Monserrate (Sintra)

O que antes era a Quinta de Monserrate, hoje é o Palácio de Monserrate que abriga o esplendoroso Parque de Monserrate. O que destaca esse parque dos outros são os seus jardins que recebem nome de países, por retratar fielmente a vegetação daquelas localidades (uma volta ao mundo dentro da botânica). O Jardim do México e do Japão são os que mais surpreendem os visitantes. Flores, árvores, rios, cascatas, ruína, recantos e charmosos caminhos dão todo o apreço e charme ao parque. Tal cuidado veio do pintor William Stocdale. do jardineiro Francis Burt e do Visconde Francis Cook, idealizadores e responsáveis por toda a criação do parque.

Parque de Monserrate foi agraciado, em 2013 com o prêmio “European Garden Award”, na categoria de “Melhor Desenvolvimento de um Parque ou Jardim Histórico”.

Mata Nacional dos Sete Montes (Tomar)

É no centro da cidade de Tomar onde encontramos e nos encantamos com os 39 hectares da Mata Nacional dos Sete Montes, também conhecida como Cerca do Convento, já pertenceu aos Templários como espaço para cultivo.

Apresenta vasta vegetação (ciprestes, olaias, carvalhos e oliveiras são alguma delas), Castelo, “Charolina” – torre cilíndrica que lembra a torre-lanterna do Convento de Cristo, cercada por um tanque circular. Belos e bem cuidados jardins, lagoas em estilo renascentistas, fontes e outros adornos típicos de jardim dão o toque final para a murada Mata Nacional.

Mata Nacional do Buçaco (Luso)

Classificada como Imóvel de Interesse Público, a Mata Nacional do Buçaco integra um complexo junto com o Palace Hotel do Buçaco e o Convento de Santa Cruz. São mais de 100ha apresentando a melhor coleção dendrológica (plantas lenhosas) da Europa, mais de 200 espécies de árvores e arbustos, e uma farta floresta (cheia de animais) que concedeu a Mata Nacional outro título (“Patrimônio Natural, arquitetônico e Cultural”). Local ímpar de peso patrimonial.

Gostaram?? Deixe nos comentários sua opinião sobre o post, vamos adorar saber!!

E não esqueça de “amar” o post 😉

P.s.: As fotos foram retiradas da internet!




Destinos Exóticos

Olááá, genteee!!!!

Com as facilidades do mundo moderno e a vontade de “sair da mesmice”, cada vez mais, turistas vão à procura de destinos únicos, atrativos, de beleza singular, incomparáveis, primitivos e exóticos!! Quais são esses destinos? Em qual parte do Globo podemos encontrá-los? Bem, em qualquer parte do mundo, podemos encontrar esse destino exótico. Da Itália, no velho continente a Tasmânia na Oceania. A lista é bem extensa e escolhemos alguns destinos que merecem uma atenção maior.

Kodiak (Alasca)

O Alasca por si só já é um destino exótico e único, e a cidade de Kodiak se destaca. Sua localização remota e de ares selvagens e beleza natural típica “assusta” de tão linda e nata. O “Kodiak National Wildlife Refuge” (Refúgio Nacional de Vida Selvagem Kodiak) é uma área de preservação de várias espécies, dentre ela o salmão. Lindos lagos, montanhas, florestas, geleiras e a companhia da vida animal local tornam a cidade de Kodiak extraordinária.

Fiordes da Noruega (Noruega)

Ah o Fiorde Norueguês seduz a todos, não interessa se a contemplação é por terra, água ou aérea, os fiordes sempre deixam a plateia maravilhada. Não é para menos, essa região, no Oeste da Noruega tem sua singularidade e abundante riqueza natural, vales, geleiras, montanhas, cachoeiras, farta vida marinha. Em cada fiorde podemos encontrar de agitadas cidades A vilarejos tranquilos onde parece que o tempo não passou. Para completar dois fiordes são Patrimônio Mundial da Unesco, siiim os Fiordes de Geiranger (o fiorde mais preservado do mundo) e Nærøy estão na lista e merecem sua visita.

Sardenha (Itália)

Essa ilha parece ser um destino “batido” com lindas praias (por sinal as mais lindas praias da Europa), excelentes restaurantes e hotéis de luxo ao ponto que parece não ter nada de único e exótico, não é mesmo? Enganos meus caros!! Nem só de praia vive uma ilha no meio do mediterrâneo. Sua história, muito antiga, da época do Paleolítico Inferior ainda é perceptível nos dias atuais. O Sítio Arqueológico Nora, Sítio Arqueológico Nurago, as 7.000 torres nuraghi, os vilarejos quase que inalterados são alguns exemplos da singularidade desta ilha. As belezas naturais como a Gruta de Neptuno (foto) e Gruta di Ispinigoli somam para deixar esse destino ainda mais completo para todos os gostos.

Ulaanbaatar (Mongólia)

Capital e maior cidade da Mongólia, Ulaanbaatar ainda apresenta traços oriundos da ocupação romana em plena Ásia. Fundada em 1639, seu nome significa “herói vermelho” no idioma mongol. Atrativos para os visitantes estão espalhados por vários pontos da cidade, são diversos palácios e mosteiros que serviram a família real local e hoje são paradas obrigatória para os que desejam conhecer um pouco mais da cultura local. Museus, monumentos e uma respeitada biblioteca retratam toda a história da Mongólia.

País Laos

O Sudeste Asiático está na moda, mas mesmo assim, o exótico país Laos é pouco (infelizmente) visitado. Desbravar este belo país de natureza ímpar com florestas tropicais, tomada por regiões montanhosas com rica fauna e uma capital (Vientiane) abastada em templos religiosos e cultura deve deixar os visitantes em êxtase. Estender a viagem a antiga capital Luang Prabang é ter a certeza de encontrar uma arquitetura colonial típica do século XIX e outros encantos próprios desse país.

Tasmânia (Austrália)

A Ilha da Tasmânia (250 km do sul da Austrália) famosa por ser a casa do “Diabo da Tasmânia” descortina outros interesses para os turistas. O Parque Nacional Freycinet, Museu de Arte, Mercado Salamanca, Cachoeiras Russel, Monte Wellington, Jardim Botânico Real da Tasmânia são apenas alguns dos muitos pontos turísticos desta exótica ilha de clima temperado.

O que acharam? Muitas opções de passeios exótico? Me contem!! E não esqueçam de “amar” o post 😉

 P.s. As fotos foram retiradas da internet!